Sopa e a hemodiálise

Sopa.jpg

 

Segredos de uma boa alimentação - comer ou não sopa em hemodiálise

 

Regra geral, o regime terapêutico de hemodiálise inclui três sessões semanais, com uma duração média de quatro horas por sessão e um plano individualizado de farmacoterapia e de dietoterapia.

Na prescrição da dieta são considerados os hábitos alimentares, o estado nutricional e os valores analíticos.

Estão publicadas diretrizes que englobam recomendações para a manutenção de um estado nutricional adequado, com especial relevância na prevenção/reversão da desnutrição, e recomendações para controlo do aporte de líquidos (hídrico) e de minerais como o fósforo, o potássio e o sódio.

Sendo a sopa um alimento rico em líquido é muitas vezes evitada ou mesmo eliminada da alimentação, o que nem sempre é necessário.

Na maioria dos casos, com a entrada em programa regular de hemodiálise verifica-se uma redução da produção de urina. É habitual que da produção de urina deficitária (por vezes nula) resulte o aumento de peso, uma vez que os líquidos se vão acumulando no organismo, sendo apenas eliminados durante a próxima sessão de hemodiálise. No período entre sessões, se houver acumulação excessiva de líquidos, podem resultar sintomas como edema (pés inchados e/ou pernas inchadas) ou insuficiência respiratória. Quem apresenta excesso hídrico pode ter pressão arterial elevada e maior risco de hipotensão ou cãibras devido à necessidade de remover volume excessivo de líquidos durante a sessão de hemodiálise. Na tentativa de prevenir estes sintomas, os dietistas e outros profissionais de saúde podem aconselhar a diminuição da ingestão de líquidos. Deve-se evitar que o receio destas consequências o leve a restringir não só a ingestão de líquidos, mas também de alimentos.

Sendo a sopa um alimento rico em líquido é muitas vezes evitada ou mesmo eliminada da alimentação, o que nem sempre é necessário. Devido à anorexia (falta de apetite) e a alterações no paladar que resultam na redução de alguns alimentos, a sopa pode ser importante para restabelecer as reservas de energia (calorias), que não devem ser demasiado baixas num doente que vai fazer hemodiálise.

A sopa pode ser importante para assegurar um bom estado nutricional.

Há que distinguir que as recomendações para restringir a sopa são para quem já satisfaz as suas necessidades com os restantes alimentos e dispensa o líquido (água) extra. Se habitualmente o seu peso ‘entre cada sessão de hemodiálise’ está dentro das recomendações (ver "Peso") e não tem grande apetite para outros alimentos, a sopa pode ser importante para assegurar um bom estado nutricional. A sopa pode, ainda, ajudar a regular o trânsito intestinal para quem tem obstipação (prisão de ventre).

A sopa pode ajudar a regular o trânsito intestinal.

Avalie a quantidade de líquidos que ingere diariamente, que não deve exceder diariamente os 500 ml + o volume da sua urina, e decida quais os líquidos/alimentos que quer incluir. Em caso de dúvida, aconselhe-se com o seu dietista ou médico assistente. É importante que as recomendações dietéticas visem a redução do aporte hídrico sem prejuízo do aporte nutricional.

Os legumes utilizados na preparação da sopa são ricos em potássio. Devido à insuficiência renal pode haver acumulação de potássio no sangue, causando arritmias ou paragem cardíaca, por isso, é importante a restrição da ingestão de potássio.

 

Dicas para a espoliação do potássio

  • deixe de molho tubérculos descascados e cortados em pedaços pequenos (ex: batata) durante algumas horas, mudando a água várias vezes;
  • coloque os legumes cortados em pedaços pequenos em água fria e mude de água após alguns minutos de fervura;
  • apenas em casos específicos, indicados pelo seu dietista, pode haver necessidade de substituir mais vezes a água da cozedura;
  • se for permitido, junte um pouco de sal apenas no final.

 

Peso (adapte esta recomendação ao seu caso)

Se quer aumentar de peso ou tem dificuldade em ingerir o total das suas refeições e pretende que a sopa tenha valor nutricional mais elevado, pode:

  • refogar levemente a cebola/alho francês em azeite e depois juntar os restantes legumes (previamente fervidos) e água para terminar a cozedura (esta técnica permite contornar a perda de sabor associada ao desperdício da água da primeira fervura);
  • juntar massa ou arroz;
  • adicionar carne ou peixe e triturar (o frango ou o peru não causam grande alteração no sabor final);
  • juntar um ovo batido (tipo sopa à Alentejana).

 

Não esqueça que o potássio é removido do sangue em cada sessão de hemodiálise, podendo optar por comer sopa apenas 1 vez entre cada sessão (2ªfeira/4ªfeira e 4ªfeira/6ª feira ou 3ªfeira/5ªfeira e 5ªfeira/sábado) e não comer nos dias do fim de semana.

 

Potássio (adapte esta recomendação ao seu caso)

Se tem habitualmente os valores de potássio perto do limite superior, pode:

  • substituir a base de batata por farinha Maizena (fica cremosa e evita o potássio da batata);
  • cozer previamente os legumes, cortados em pedaços pequenos, em 2 ou 3 águas;
  • optar por legumes com menos potássio;
  • excluir as sopas com leguminosas (feijão, grão, ervilhas, favas, lentilhas).

 

O aumento de peso entre sessão de hemodiálise deve situar-se entre os 3% e os 4,5%. Calcule o seu multiplicando o seu peso seco por 0,03 (valor mínimo recomendado) e por 0,045 (valor máximo recomendado). Exemplo: num homem com 70,000kg de peso seco, poderá pesar antes da sessão de hemodiálise 72,100 a 73,150kg.[/su_note]

 

Peso

Se o seu peso entre sessões de hemodiálise está perto do limite máximo, mas pretende comer sopa, pode:

  • eliminar da sua ementa um alimento com elevado teor de água (ex: água, chá, leite, fruta);
  • usar uma taça pequena e ingerir a sopa mais quente que o habitual, pois aumenta a sua saciedade.

 

 

Ana Catarina Moreira - Professora da área científica de Dietética da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL)

 

 

Imagem: Pumpkin Soup de Shadowfoot sob licença CC BY-NC-SA 2.0