Na hemodiálise

O potássio é um mineral existente no sangue que atua ao nível celular, nos tecidos musculares e nos nervos. Tal como outras substâncias, quando em excesso no sangue, pode provocar complicações graves no organismo, neste caso, ao nível do coração.

Nos doentes em hemodiálise com pouca ou nenhuma diurese residual, o potássio vai acumular-se, uma vez que a sua eliminação está dificultada. Por esta razão, torna-se necessário restringir a ingestão de alimentos ricos em potássio.

A recomendação diária de potássio dever ser individualizada, em regra, é aconselhável a ingestão de 39 mg de potássio/Kg de peso/dia, variando entre 1500 mg a 2700 mg de potássio por dia.

A dificuldade em obrar deve ser evitada e tratada rapidamente, tendo em conta a importância da excreção fecal do potássio no controlo dos níveis séricos deste mineral.

Em doentes renais que realizam a hemodiálise com dias de intervalo, o controlo do potássio é especialmente importante, dado o risco de arritmias cardíacas potencialmente fatais.

Desta forma, é fundamental que o doente hemodialisado esteja atento a sinais como fraqueza muscular, dificuldade de movimentação das pernas e palpitações (batimentos cardíacos irregulares).

É importante controlar a ingestão de potássio tendo, para isso, certos cuidados na dieta diária.

 

Sete recomendações alimentares para o doente em hemodiálise

  1. Evitar alimentos ricos em potássio, tais como: alho em pó, bacalhau seco e salgado, batata frita caseira e de pacote, cacau, café instantâneo em pó, castanhas, cebola seca, coco seco ralado, ervilhas, farinha de soja, favas e feijão secos, frutas oleaginosas (pinhões, nozes, amêndoas, pistácio, amendoins, etc.), frutos secos, grão-de-bico e milho, leite achocolatado, leite em pó, lentilhas, melaço, puré de batata instantâneo, soja e tomate em puré concentrado.
  2. Restringir o consumo de alimentos com teor médio de potássio: vegetais, fruta, legumes e batata.
  3. Limitar o consumo de fruta a duas peças por dia (idealmente uma deve ser cozida). Quando cozidos, os frutos frescos perdem potássio e a água não deve ser aproveitada. Pelo contrário, as frutas assadas não têm contacto com a água pelo que não perdem potássio.
  4. Preferir as frutas com menos potássio: maçã, pêra, laranja, pêssego, ananás, abacaxi, fruta em calda (sem a calda), morango, clementina.
  5. Dar preferência ao arroz e à massa que são pobres em potássio.
  6. Os alimentos como hortaliça, legumes frescos e batatas devem ser colocados de molho e cozidos por duas vezes em grandes quantidades de água, sendo a primeira água desperdiçada (uma parte do potássio é perdida em aproximadamente 60%). Contudo, algumas vitaminas também serão eliminadas.
  7. Não deve cozer a hortaliça, legumes frescos e batata em panela de pressão, a vapor ou no micro-ondas, porque estes métodos de confeção concentram o teor de potássio nos alimentos.

 

Na diálise peritoneal

Por norma, os doentes em diálise peritoneal não têm potássio elevado no sangue, devido à excreção fecal aumentada de potássio.

Cerca de 30% do potássio ingerido diariamente pode ser perdido pelas fezes e os 70% restantes são removidos pela urina e pela solução da diálise peritoneal.

A presença de hipocaliémia (diminuição de potássio no sangue) pode ocorrer, especialmente naqueles doentes que tomam diuréticos, que apresentam diarreia, vómitos ou que fazem uma ingestão pobre em proteínas. Neste caso, o doente deve ser encorajado a aumentar a ingestão de potássio na sua dieta.

 

 

Imagem:
de Mike Dorner on Unsplash