A importância de manter um estado nutricional adequado

 

Desnutrição

Uma situação de desnutrição pode ser difícil de reverter, pois a realização de hemodiálise (HD) está associada a vários fatores que predispõem ao aparecimento de desnutrição energético-proteica:

  • perdas nutricionais durante a HD;
  • alterações hormonais que dificultam o normal funcionamento do organismo;
  • aumento das necessidades energéticas;
  • presença de acidose metabólica que induz a degradação dos músculos;
  • presença de urémia elevada que conduz à anorexia (perda de apetite);
  • alterações do paladar (manifestando-se pela aversão a alguns alimentos como a carne).

 

O processo de desnutrição é mais facilmente revertido quando a situação não chega a extremos. Por esta razão, se sente que tem menos apetite ou está a comer menos que o habitual, atue de imediato aplicando as pequenas sugestões que lhe indicamos e contactando o seu dietista.

Faça um reforço alimentar em alimentos proteicos e energéticos. Os benefícios em aumentar/reforçar apenas os alimentos ricos em proteínas (carne, peixe, ovos, leite, iogurte ou queijo) são limitados se não garantir também que as suas necessidades de energia são satisfeitas. Por isso, inclua alimentos mais energéticos. As gorduras (azeite, óleo, natas) fornecem muitas calorias num volume mais pequeno. As frutas e os vegetais têm baixo valor em energia, por isso devem ser consumidos em conjunto com outros alimentos mais ricos em calorias. Tente fazer várias refeições por dia com volume mais pequeno.

Exemplos para reforçar a sua alimentação em energia e proteínas:

  • leite batido com fruta e/ou bolachas;
  • leite de vaca adicionando 1 ou 2 medidas de leite em pó (ex: NidoÒ ou MolicoÒ, dependendo do valor energético a atingir);
  • ovo batido na sopa (inspirado na tradição da sopa alentejana);
  • sopa batida com frango ou peru (pois a carne branca altera menos o sabor da sopa);
  • fruta com bolacha ralada e/ou amêndoa ralada;
  • ser generoso no azeite que se coloca na sopa;
  • alternar a fruta (também ela com reforço) por sobremesas mais calóricas (ex: pudim com ovos e leite, leite creme);
  • juntar “molho bechamel” aos legumes cozidos;
  • preferir confeções culinárias que tenham molho (e até pode querer “molhar o pão”);
  • por vezes, os alimentos na forma pastosa são melhor tolerados (por reduzir o trabalho na mastigação).

 

Estes são alguns exemplos, mas apenas para quem está desnutrido. Peça ajuda ao seu dietista que irá estabelecer uma dieta adequada e adaptada aos seus gostos e hábitos alimentares.

 

Excesso de peso

Apesar de, nos doentes em HD, o excesso de peso estar associado ao aumento da esperança de vida, também tem sido associado a pior qualidade de vida, na vertente física e também na vertente mental. Possivelmente o modo de conciliar estes dois factos é, nos doentes com obesidade ou excesso de peso, promover um aumento do tecido muscular (músculo) em detrimento da do tecido adiposo (gordura). Assim pode até manter o seu peso, mas reduzir um (ou dois) números na sua roupa. Se está em lista de espera para transplante e tem obesidade ou excesso de peso também pode haver recomendação para reduzir o peso.

Aparenta ser difícil de conciliar a dieta para a obesidade com as recomendações para a HD, mas há dicas que pode usar:

  • faça refeições mais pequenas e frequentes;
  • escolha carne limpa de gorduras visíveis;
  • confecione com pouca gordura;
  • opte por assados sem molho, cozidos, grelhados, mas modere a gordura no tempero (1 colher sobremesa é geralmente suficiente);
  • escolha legumes com menor teor de potássio para acompanhar o almoço e jantar e coza-os utilizando a técnica de espoliação de potássio;
  • se ingere habitualmente produtos lácteos, substitua-os por outros magros;
  • se tem valores de fósforo elevados, as refeições intermédias devem ser pobres neste mineral ou acompanhadas com quelantes;
  • para ajudar a perder peso faça pequenas atividades físicas diariamente: evite utilizar o elevador (pelo menos, 1 ou 2 andares), dê pequenos passeios, deixe o carro um pouco mais longe do seu destino, arrume o comando da televisão (ainda se lembra como era?) e dê uma volta ao quarteirão depois das refeições.

 

O aumento de peso excessivo entre sessões de hemodiálise (HD) reflete elevada ingestão de líquidos e pode conduzir à hipertensão arterial, hipertrofia do ventrículo esquerdo e cardiopatia congestiva. O seu peso à entrada da HD deve ser entre 3% a 4% superior ao peso seco (à saída da sessão anterior), o que traduz uma alimentação suficiente sem demasiados líquidos. Se está em lista para transplante deve de atuar já, de modo a não comprometer a saúde do enxerto renal, mantenha o aumento de peso entre sessões de HD nos valores indicados.

 

Não esqueça que o seu estado nutricional se reflete na sua saúde e também na sua qualidade de vida. Trate de si, com carinho.

 

 

Imagem:
Full Table de Mike Dory sob licença CC BY-NC 2.0

ARTIGOS RELACIONADOS