Origem do Natal e o significado da sua comemoração

 

De nada adianta o Cristo nascer mil vezes em Belém se ele não nascer no coração do homem também.
V.M. Samael Aun Weor

 

O Natal constitui-se como um feriado e uma celebração religiosa cristã comemorado todos os anos a 25 de dezembro. É um dos feriados mais importantes, muitas vezes associado às férias, que ultrapassa a barreira da religião, sendo comemorado por muitos não-cristãos.

Natal (com inicial maiúscula) é o nome da festa religiosa cristã que celebra o nascimento de Jesus Cristo, a figura central do Cristianismo. A palavra ‘natal’ (com letra minúscula) significa ‘do nascimento’ referindo-se ao nascimento ou ao local onde ocorreu o nascimento.

Na antiguidade, o Natal era comemorado em várias datas diferentes, pois não se sabia com exatidão a data do nascimento de Jesus. Somente no século IV foi estabelecido o dia 25 de dezembro como data oficial de comemoração – foi estipulado pela Igreja Católica no ano 350 através do Papa Júlio I, sendo mais tarde oficializado como feriado. Na Roma Antiga, destinava-se a celebrar o nascimento anual do Deus Sol no solstício de inverno, tendo sido adaptado pela Igreja Católica no século III D.C. para permitir a conversão dos povos pagãos sob o domínio do Império Romano. Acredita-se que haja uma relação deste facto com a oficialização da comemoração do Natal.

As antigas comemorações de Natal costumavam durar até 12 dias, pois foi este o tempo que os três Reis Magos demoraram a chegar até à cidade de Belém para entregarem os presentes (ouro, mirra e incenso) ao menino Jesus. Atualmente, iniciam-se os enfeites de Natal no início de dezembro e desmontam-se 12 dias após o Natal.

Não se pode falar do Natal sem nos referirmos à véspera de Natal representada pelo dia 24 de dezembro. Em Portugal, a véspera é marcada pela união familiar no jantar chamado ‘Consoada’ ou ‘Ceia de Natal’ e à meia-noite é feita a distribuição e a troca de presentes. A Igreja Católica adota as antigas tradições de considerar a véspera de Natal o momento mais importante da celebração. Nas antigas tradições, o novo dia começava com o pôr-do-sol, ou seja, a noite da véspera já era o dia da festa. Por isso, a Vigília do Natal tem a missa mais solene deste período.

Embora não seja considerado feriado, o dia 24 de dezembro tem a sua importância, na medida em que é o dia em que se compram os últimos presentes, se fazem as últimas compras para a ceia de Natal e para o almoço do dia seguinte, se passeia e se está em família. Em Portugal, normalmente é concedida tolerância de ponto neste dia.

Em termos gerais, o Natal é sinónimo de paz, alegria, fraternidade e generosidade. Nesta altura do ano, as casas, os edifícios, os espaços comerciais, as cidades ficam envoltas numa atmosfera de cores, luzes e sons muito diferentes do resto do ano.

O impacto económico do Natal não passa despercebido, tendo crescido de forma constante ao longo dos últimos séculos em muitas regiões do mundo. A tradicional troca de presentes e todas as decorações inerentes a esta época, envolvem um aumento da atividade económica, tornando-se um dos principais períodos de vendas para os comerciantes.

 

Sugestões de presentes para o Natal: para o seu inimigo, perdão. Para um oponente, tolerância. Para um amigo, o seu coração. Para um cliente, o seu serviço. Para tudo, caridade. Para uma criança, um bom exemplo. Para si, respeito.
Oren Arnold

 

Imagem:
Christmas tree de Fernando Arriaga Photography sob licença CC BY-NC-ND 2.0