• Os doentes com doença renal crónica apresentam um risco cardiovascular muito superior ao da população sem doença renal.
  • Um dos fatores de risco são as alterações do metabolismo mineral, nomeadamente o aumento do fósforo no sangue (hiperfosfatemia).
  • Quando existem níveis excessivamente altos de fósforo, este combina-se com o cálcio e ambos depositam-se no coração, pulmões, vasos sanguíneos, articulações e outros tecidos moles. Estes depósitos podem provocar calcificações.
  • Outros sintomas de fósforo elevado no sangue são os olhos vermelhos e a comichão na pele.
  • Por isso, é importante manter os níveis de fósforo dentro de valores normais.

 

Toda a equipa que o acompanha, irá aconselhá-lo de forma a controlar o seu fósforo para que tenha mais e melhor qualidade de vida.

Imagem:
Magic Chemical Square de fdecomite sob licença CC BY 2.0